Férias de julho na Casa do Teatro

ATIVIDADES INSTIGANTES E CRIATIVAS
2 e 13 de julho, das 14h30 às 17h30
Itaim e Pacaembu

Para as crianças, teatro, circo, música, jogos e improvisação estimulam uma criação divertida e autoral.
Para os jovens, experiências artísticas exploram a criação teatral, o reconhecimento e a manipulação dos recursos de iluminação, teatro de sombra, sonoplastia e caracterização cênica.
Venha participar das experiências criativas de teatro e artes e fazer novos amigos.

Mais informações e inscrições:
Itaim
Av. São Gabriel, 440
(11)3884-8294

Pacaembu 
Rua Armando Penteado, 311
(11)3826-6624

ou pelo email: contato@casadoteatro.com.br

Teatro, circo e música conduzem atividades que exploram o universo do imaginário infantil de forma lúdica. Histórias em que animais e preservação da natureza têm papel importante e acolhem a fantasia das crianças. Macacos, onças, palhaços, desafios e poderes serão motivadores para que as crianças possam, em grupo, conhecer um pouco mais sobre o Brasil e sua natureza.

2 de julho (segunda) no Itaim / 10 de julho (terça) no Pacaembu
Criança, crionça – Uma onça-pintada, rainha dos biomas brasileiros, ameaçada de extinção pelo desmatamento e pela ação humana, tenta se defender perseguindo e assustando os outros bichos, seus vizinhos na mata. Em um passeio pela floresta, um grupo de crianças, chefiadas por um simpático macaco, aventuram-se para conhecer o ambiente, proteger os bichos e ajudar a onça em sua integração com os demais.

4 de julho (quarta) no Itaim / 12 de julho (quinta) no Pacaembu
Lá no sertão – O Macaco recebe uma carta lá do sertão e as crianças são chamadas para ajudar Lampião e Maria Bonita. Com músicas típicas da região e teatro de sombras, a aventura ganha ares do sertão brasileiro. O verde dá lugar ao agreste, ao semiárido, e o Brasil mostra sua diversidade geográfica.

3 de julho (terça) no Pacaembu / 11 de julho (quarta) no Itaim
Cada palhaço no seu galho – É dia de se divertir e brincar de ser o que cada criança quiser num circo erguido no meio da floresta. Em um momento de respiro e alívio depois de tantas aventuras, para conduzir a diversão, o grande mestre de cerimônias é o macaco, pois, como todos sabem, o Brasil é o país com o maior número de primatas conhecidos, com mais de 118 espécies.

05 de julho (quinta) no Pacaembu / 13 de julho (sexta) no Itaim
Os poderes da floresta – A floresta está em perigo, um grande prédio será construído e os bichos ficarão sem casa. Ufa! Nesta nova aventura, a magia do folclore brasileiro entra em cena. Iara, Saci, Curupira ensinam poderes mágicos para as crianças que, juntas, lutam para preservar a floresta, os bichos e as histórias contadas, recontadas e revisitadas ao longo de muitos anos por pais, avós, tias....

Mistério, suspense – Todos participam de investigações para descobrir as pistas e os possíveis autores de acontecimentos surpreendentes nos mais diversos ambientes: em um programa de TV, nas Olimpíadas, na fórmula química de uma poção mágica e em uma inusitada viagem de avião. Teatro, vídeo, jogos, sensorização e alquimia são os condutores dessas aventuras programadas com muitos desafios.

2 de julho (segunda) no Itaim / 12 de julho (quinta) no Pacaembu
Teatrolimpíadas – Uma grande olimpíada teatral, com times e jogos malucos em que o mais importante é a criatividade e a diversão. Passar das diferentes fases depende do pêndulo que determina as ações dramáticas que podem ser: construção de personagens, cenas, posicionamento, pontos de vista.

4 de julho (quarta) no Itaim / 10 de julho (terça) no Pacaembu
TV Pirada – O canal 3 acaba de sair do ar por ser tão velha e entediante a sua programação. Algo precisa ser feito para reverter a decisão. O tempo é curto, apenas algumas horas, e o grupo precisa inovar, recriar os conteúdos, assumir o canal e criar uma programação inédita e completamente pirada.

3 de julho (terça) no Pacaembu / 11 de julho (quarta) no Itaim
O mistério da poção mágica – Num dia diferente, num momento de parada do previsível dia a dia, um grupo de crianças cai numa escola de bruxos. O diretor desapareceu: quem são os suspeitos? Os professores de mágica? Tudo a resolver e rever. Foi imaginação ou realmente aconteceu? Mais uma aventura e um incrível desafio pela frente!

5 de julho (quinta) no Pacaembu / 13 de julho (sexta) no Itaim
Os desbravadores da ilha perdida – O que aconteceria se você fosse convidado para uma festa de aniversário, mas não esperava que uma ilha perdida no mapa atravessasse seu caminho? Fantasia? Realidade? Imaginário e realidade fazem parte dessa experiência criativa.

As atividades colocam os jovens em propostas cênicas inspiradas em jogos de tabuleiro, em que os jogadores precisam salvar o mundo, desvendar um mistério e montar o quebra-cabeça. Arte e jogo se misturam. Tudo depende de cada um e das ações do grupo.

2 de julho (segunda) no Itaim / 10 de julho (terça) no Pacaembu
Desvendando um crime surreal – Os jogadores terão de usar a imaginação, agilidade e a criatividade para desvendar a identidade de um criminoso. As pinturas surrealistas darão as pistas.

4 de julho (quarta) no Itaim / 12 de julho (quinta) no Pacaembu
O desafio das nações – Como atuar em um jogo em que uns continentes têm mais recursos que outros? Os grupos terão o importante desafio de reestabelecer o equilíbrio mundial com rapidez, criatividade e arte.

3 de julho (terça) no Pacaembu / 11 de julho (quarta) no Itaim
Detetive – Morre o Dottore. Quem o matou? Como? Terá sido com um pão mofado ou um rolo de macarrão? Terá sido na cozinha do Pantallone ou em outro lugar. Um jogo de investigação, argumentação e percepção cria uma aventura especial. A época: fim do século do XV. O gênero: commedia dell´arte. O local: Itália, 1668. Os personagens: Dottore, Pantallone, Arlecchino, Colombina, Brighella. O cannovagio.

5 de julho (quinta) no Pacaembu / 13 de julho (sexta)
Conquistadores de histórias – O que aconteceria se o Google, o Wi-Fi e o iCloud saíssem do ar? O que seria se, em vez de 500 “amigos” virtuais, você tivesse apenas 20 amigos presenciais? O jogo é este. Voltar no tempo. Manusear um jogo de tabuleiro. Participar como peças que resumem todas as experiências lúdicas em contato direto com outros jogadores. Passando de casa em casa, os participantes experimentam diferentes elementos relacionados à cena teatral: um personagem, a criação do cenário, de adereços, do enredo. São muitos os desafios que valorizam a presença, o estar aqui e agora.

Por meio dos recursos artísticos e técnicos das artes da cena (iluminação, teatro de sombra, blackout e encenação), os participantes exercem os mais diversos papéis e funções para desvendar e descobrir os mecanismos da criação teatral.

2 de julho (segunda) no Itaim / 5 de julho (quinta) no Pacaembu
Técnicas de iluminação – descobrindo a luz no teatro – Para entender um pouco mais de luzes cênicas, cena e luz partilham criação e atmosfera. O ator, ao estudar o texto e a composição do personagem, impõe sua marca ao valorizar as falas que definem a criação do papel a ser vivido. Nos espetáculos, a luz dialoga junto. Amplia a fala, foca, dá destaque ou cria uma atmosfera para reforçar momentos em que o médio escuro representa as dúvidas, as incertezas.

4 de julho (quarta) no Itaim / 10 de julho (terça) no Pacaembu
Blackout – Se a luz como recurso cênico expande e acrescenta à cena a poética, a imagem exposta além das palavras, a atividade de blackout reafirma a presença do ator, pela corporeidade, pelo movimento. Corporeidade que age com precisão, ritmo, disponibilidade e prontidão em um trabalho imagético, usando o claro/escuro, o ser e o estar. Movimentar-se no escuro é estabelecer um diálogo entre corpo, luz, imagem e música.

3 de julho (terça) no Pacaembu / 11 de julho (quarta) no Itaim
Contracenando com a sombra: Expressionismo alemão – Explorar a linguagem teatral por meio do “teatro de sombras” a partir do expressionismo alemão. A atividade tem como proposta a descoberta das vibrantes pinturas que se caracterizaram pela distorção dos cenários e personagens, através da maquiagem e recursos de fotografia.

12 de julho (quinta) no Pacaembu / 13 de julho (sexta) no Itaim
Mãos à obra – oficina de montagem – Luz cênica. Intervenção no espaço. Corporeidade. Percepção de ser e estar no claro e escuro. Teatro de sombras. Todas as experiências são um jogo compartilhado entre um coletivo que cria, recria, discute, vive e experimenta a arte como meio para entender o homem e a vida!